Campeonato Mundial de Atletismo de 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
17° Campeonato Mundial de Atletismo
2019 بطولة العالم لألعاب القوى

Doha 2019
LogoDoha2019.PNG
Dados
Países participantes 209
Entidade responsável IAAF
Sede Catar Doha, Qatar
Primeira edição Helsinque 1983
Atletas 1972 (1054 H, 918 M)
Eventos 49
Duração 27 de setembro a 6 de outubro de 2019
Abertura oficial Emir Tamim bin Hamad al-Thani
Estádio principal Khalifa International Stadium
Site oficial Doha 2019
◄◄ Londres 2017 {{{evento}}} Eugene 2021 ►►

Campeonato Mundial de Atletismo de 2019 foi a 17ª edição do campeonato bienal do esporte realizada entre 27 de setembro e 6 de outubro no Khalifa International Estadium em Doha, no Qatar. A cidade de Doha conquistou o direito de sediar a competição pelos votos dos membros do conselho da IAAF em novembro de 2014, após uma disputa com as cidades de Barcelona, na Espanha e Eugene, nos Estados Unidos.[1]

Esta foi a segunda vez que a nova prova feminina da Marcha de 50 km, a única prova masculina do atletismo ainda não disputada por mulheres nos Jogos Olímpicos, foi realizada. Também foi a primeira vez em que os atletas puderam exibir o nome dos patrocinadores de suas equipes nacionais em seus kits de competição e onde a maratona é disputada à meia-noite num torneio internacional, por causa da temperatura local. Foi também estabelecido um número limite para os participantes de algumas provas, como 100 para a maratona, 60 para a marcha de 20 km e 27 competidores para os 10000 m, entre outras modificações decididas pelo congresso da IAAF em Mônaco, em dezembro de 2018. Este campeonato também foi o primeiro onde foi disputado uma nova prova de velocidade, o revezamento 4x400 m misto, composto de dois homens e duas mulheres, ainda não existente nas Olimpíadas. O tempo mais rápido da prova passou a ser considerado o novo recorde mundial desta modalidade, que foi conquistado pela equipe dos Estados Unidos.[2][3][4]

A participação da Rússia, a princípio incerta já que algumas exigências da IAAF com relação a amostras completas de atletas daquele país e pendências financeiras relativas a apelações ao Tribunal Arbitral ainda não tinham sido resolvidas, acabou sendo formalmente negada quatro dias antes do início do campeonato. Alguns atletas russos, sem histórico de envolvimento em problemas de dopagem, puderam competir como atletas individuais sob a designação de "Atletas Neutros", como já haviam feito anteriormente em Londres 2017, entre eles a bicampeã mundial do salto em altura Mariya Lasitskene.[5]A imprensa e atletas de países diversos criticaram duramente o evento, reclamando do calor, da falta de público no estádio, da atmosfera fria dos espectadores, da agenda e dos horários das provas e questionaram porque Doha foi escolhida como sede do Mundial.[6]

Falah, um atlético falcão vestindo um uniforme na cor castanho-avermelhada da bandeira do Qatar, foi o mascote do primeiro campeonato mundial realizado no Oriente Médio.[7]

Mais uma vez os Estados Unidos venceram a competição, com 14 medalhas de ouro e 29 no total geral. Foram quebrados dois recordes mundiais, um recorde mundial júnior e cinco recordes do campeonato, além de diversos recordes continentais e nacionais, fazendo deste o campeonato mundial de mais alto nível técnico de todos, com o desempenho médio ultrapassando o anterior, Londres 2017. Baseado nas tabelas de pontuação da IAAF, os melhores atletas masculino e feminino foram o arremessador de peso norte-americano Joe Kovacs e a saltadora de distância alemã Malaika Mihambo, os dois campeões mundiais em suas modalidades.[8] A prova do arremesso de peso, vencida por Kovacs no último dos seus seis arremessos, viu a disputa de mais alto nível já havida neste esporte, com três atletas alcançando a marca de 22,90 m e acima, atingida pela primeira vez em quase trinta anos. O brasileiro Darlan Romani fez a segunda melhor marca da sua vida, quebrou o recorde anterior do campeonato mundial e só conseguiu o quarto lugar.[9] Esta foi também a primeira competição de atletismo em que uma mulher, a holandesa Sifan Hassan, venceu duas provas de distâncias completamente diferentes em especialização, os 1500 m e os 10000 m.[10]

Escolha da sede[editar | editar código-fonte]

A escolha de Doha como sede do primeiro campeonato mundial realizado no Oriente Médio foi cercada de grandes polêmicas, apesar das declarações de Lorde Sebastian Coe, presidente da IAAF, de que a escolha iria desenvolver o atletismo dentro da comunidade e da população do Qatar. O presidente da Federação Espanhola de Atletismo, que viu a cidade de Barcelona ser eliminada na primeira rodada de votações, afirmou que a escolha havia sido a pior possível e que "a única coisa que os árabes tinham era dinheiro".[11] Lamine Diack, o ex-presidente da IAAF envolvido em várias denúncias de corrupção, foi acusado pela justiça e pela imprensa ocidental à época da escolha de ter recebido milhões dólares em suborno dos qataris através de seu filho para sacramentar a escolha de Doha.[12] Durante a competição, a escolha da cidade foi duramente criticada por diversos atletas, que consideraram ser um desrespeito terem que competir sob aquelas condições climáticas, de calor e umidade.[13] Apesar de um sistema inédito de ar condicionado ter sido instalado no estádio das competições, reduzindo a temperatura interna a níveis aceitáveis, as competições da maratona e da marcha atlética foram disputadas em temperaturas de mais de 32°C, com sensação térmica de mais de 40°, mesmo marcadas para o início da madrugada. Além disso, o campeonato enfrentou um baixíssimo nível de interesse por parte do público, levando o estádio a estar quase vazio em diversos dias da competição, mesmo com ingressos grátis sendo distribuídos pela organização.[14]

A questão dos direitos humanos no Qatar também levantou preocupações, principalmente com relação aos seis mil trabalhadores imigrantes no país e as condições em que eram tratados, vários deles envolvidos na construção e limpeza do estádio das competições, que havia apresentado queixas sobre salários não pagos contra empresas do país.[15] O presidente da IAAF respondeu que o Mundial era uma maneira de conseguir mudanças sociais no país e que o torneio se encontrava acima de questões políticas.[16]

Local[editar | editar código-fonte]

O evento foi realizado no Estádio Nacional Khalifa, na capital qatarense, um estádio multipropósito que faz parte do moderno complexo multiesportivo da Cidade dos Esportes na capital, incluindo também um grande centro aquático. Construído em 1976 e com capacidade para 40.000 espectadores, ele é o primeiro estádio já totalmente modernizado para a Copa do Mundo de 2022, que também será realizada no Qatar. Sede do atletismo durante os Jogos Mundiais Escolares de 2009 e dos Jogos Pan-Arábicos de 2011, amistosos com as equipes de futebol do Brasil, Argentina e Inglaterra já aconteceram em seu gramado, antes da reforma completa terminada em 2017. [17] As provas de rua foram realizadas ao longo do Corniche de Doha, uma área de passeio público de sete quilômetros de comprimento que circunda a orla da Baía de Doha, em torno do luxuoso centro econômico-financeiro da capital.

Visão externa do Khalifa International Stadium, local das provas de pista. 
Vista do Corniche de Doha ao longo do qual são realizadas as provas da marcha atlética e da maratona. 

Prêmios[editar | editar código-fonte]

O campeonato paga prêmios em dinheiro e esta edição dividiu mais de sete milhões de dólares entre os atletas, incluindo um bônus de US$100.000 dólares para quem estabelecer um novo recorde mundial em sua prova. Os principais prêmios são:[18]

Eventos individuais
Gold medal icon.svg – US$60.000
Silver medal icon.svg – US$30.000
Bronze medal icon.svg – US$20.000
4° lugar: US$15.000
5º lugar: US$10.000
6° lugar: US$6.000
7º lugar: US$5.000
8° lugar: US$4.000
Eventos por equipe
Gold medal icon.svg – US$80.000
Silver medal icon.svg – US$40.000
Bronze medal icon.svg – US$20.000
4° lugar: US$16.000
5º lugar: US$12.000
6° lugar: US$8.000
7º lugar: US$6.000
8° lugar: US$4.000

Recordes[editar | editar código-fonte]

Recorde
Modalidade
Atleta
País
Marca
Anterior
Recorde mundial
revezamento 4x400 m misto
Estados Unidos
Estados Unidos
3:09.34
Recorde mundial
400 m c/ barreiras
Dalilah Muhammad
Estados Unidos
52.16
52.20 – 2019
WJR icon.png
salto em altura
Yaroslava Mahuchikh
Ucrânia
2,04 m
2,01 m – 1986
Recorde do campeonato
3000 m c/ obstáculos
Beatrice Chepkoech
Quénia
8:57.84
9:02.58 – Londres 2017
Recorde do campeonato
800 metros
Donavan Brazier
Estados Unidos
1:42.34
1:43.06 – Roma 1987
Recorde do campeonato
arremesso de peso
Joe Kovacs
Estados Unidos
22,91 m
22,23 m – Roma 1987
Recorde do campeonato
1500 metros
Sifan Hassan
Países Baixos
3:51.95
3:58.52 – Paris 2003
Recorde do campeonato
5000 metros
Hellen Obiri
Quénia
14:26.72
14:26.83 – Pequim 2015

Quadro de medalhas[editar | editar código-fonte]

Posição País Ouro Prata Bronze Total
1  Estados Unidos
14
11
4
29
2  Quênia
5
2
4
11
3  Jamaica
3
5
4
12
4  China
3
3
3
9
5  Etiópia
2
5
1
8
6 ANA flag (2017).svg Atletas Neutros *
2
3
1
6
7  Grã-Bretanha
2
3
5
8  Alemanha
2
4
6
9  Japão
2
1
1
10  Países Baixos
2
2
Uganda
2
2
12 Polónia Polônia
1
2
3
6
13  Bahrein
1
1
1
3
 Cuba
1
1
1
3
 Suécia
1
1
1
3
16  Bahamas
1
1
2
17  Catar
1
1
2
18  Austrália
1
1
Granada
1
1
 Noruega
1
1
 Venezuela
1
1
22 Estónia Estônia
2
2
 Ucrânia
2
2
24  Canadá
1
4
5
25  Bélgica
1
1
2
 Colômbia
1
1
2
 França
1
1
2
28  Argélia
1
1
 Bósnia e Herzegovina
1
1
Portugal Portugal
1
1
31  Áustria
2
2
32  Burkina Faso
1
1
Costa do Marfim
1
1
 Croácia
1
1
Equador
1
1
Flag of Spain.svg Espanha
1
1
 Grécia
1
1
 Hungria
1
1
 Itália
1
1
 Marrocos
1
1
Namíbia
1
1
Nigéria
1
1
 Nova Zelândia
1
1
Suíça
1
1
  • Atletas Neutros é a denominação dos atletas da Rússia, impedida de participar como nação, que disputaram o campeonato individualmente sob a bandeira da IAAF.

Medalhistas[editar | editar código-fonte]

Masculino[editar | editar código-fonte]

Evento Ouro Prata Bronze
100 m
detalhes
Christian Coleman
 Estados Unidos
9.76 Justin Gatlin
 Estados Unidos
9.89 Andre De Grasse
 Canadá
9.90
200 m
detalhes
Noah Lyles
 Estados Unidos
19.83 Andre De Grasse
 Canadá
19.95 Álex Quiñónez
Equador
19.98
400 m
detalhes
Steven Gardiner
 Bahamas
43.48 Anthony Zambrano
 Colômbia
44.15 Fred Kerley
 Estados Unidos
44.17
800 m
detalhes
Donavan Brazier
 Estados Unidos
1:42.34 CR icon2.PNG Amel Tuka
 Bósnia e Herzegovina
1:43.47 Ferguson Rotich
 Quênia
1:43.82
1500 m
detalhes
Timothy Cheruiyot
 Quênia
3:29.26 Taoufik Makhloufi
 Argélia
3:31.38 Marcin Lewandowski
Polónia Polônia
3:31.46
5000 m
detalhes
Muktar Edris
 Etiópia
12:58.8 Selemon Barega
 Etiópia
12:59.7 Mohammed Ahmed
 Canadá
13:01.1
10000 m
detalhes
Joshua Cheptegei
Uganda
26:48.3 Yomif Kejelcha
 Etiópia
26:49.3 Rhonex Kipruto
 Quênia
26:50.3
Maratona
detalhes
Lelisa Desisa
 Etiópia
2:10:40 Mosinet Geremew
 Etiópia
2:10:44 Amos Kipruto
 Quênia
2:10:51
110 m c/ barreiras (1)
detalhes
Grant Holloway
 Estados Unidos
13.10 Sergey Shubenkov
ANA flag (2017).svg Atletas Neutros*
13.15 Pascal Martinot-Lagarde
 França
Orlando Ortega
Flag of Spain.svg Espanha
13.18
13.30
400 m c/ barreiras
detalhes
Karsten Warholm
 Noruega
47.42 Rai Benjamin
 Estados Unidos
47.66 Abderrahman Samba
 Catar
48.03
3000 m c/ obstáculos
detalhes
Conseslus Kipruto
 Quênia
8:01.35 Lamecha Girma
 Etiópia
8:01.36 Soufiane El Bakkali
 Marrocos
8:03.76
Marcha 20 km
detalhes
Toshikazu Yamanishi
 Japão
1:26:34 Vasiliy Mizinov
ANA flag (2017).svg Atletas Neutros*
1:26:49 Perseus Karlström
 Suécia
1:27:00
Marcha 50 km
detalhes
Yusuke Suzuki
 Japão
4:04:20 João Vieira
Portugal Portugal
4:04:59 Evan Dunfee
 Canadá
4:05:02
4x100 m
detalhes
 Estados Unidos
Justin Gatlin
Christian Coleman
Michael Rodgers
Noah Lyles
37.10  Grã-Bretanha
Adam Gemili
Zharnel Hughes
Richard Kilty
Nethaneel Mitchell-Blake
37.36  Japão
Shuhei Tada
Kirara Shiraishi
Yoshihide Kiryu
Abdul Sani Brown
37.43
4x400 m
detalhes
 Estados Unidos
Fred Kerley
Rai Benjamin
Michael Cherry
Wilbert London
2:56.69  Jamaica
Akeem Bloomfield
Nathon Allen
Terry Ricardo Thomas
Demish Gaye
2:57.90  Bélgica
Jonathan Sacoor
Robin Vanderbemden
Dylan Borlée
Kevin Borlée
2:58.78
Salto com vara
detalhes
Sam Kendricks
 Estados Unidos
5,97 m Armand Duplantis
 Suécia
5,97 m Piotr Lisek
Polónia Polônia
5,87 m
Salto em distância
detalhes
Tajay Gayle
 Jamaica
8,69 m Jeff Henderson
 Estados Unidos
8,39 m Juan Echevarria
 Cuba
8,34 m
Salto triplo
detalhes
Christian Taylor
 Estados Unidos
17,92 m Will Claye
 Estados Unidos
17,74 m Hughes Zango
 Burkina Faso
17,66 m
Salto em altura
detalhes
Mutaz Essa Barshim
 Catar
2,37 m Mikhail Akimenko
ANA flag (2017).svg Atletas Neutros*
2,35 m Ilya Ivanyuk
ANA flag (2017).svg Atletas Neutros*
2,35 m
Arremesso de peso
detalhes
Joe Kovacs
 Estados Unidos
22,91 m CR icon2.PNG Ryan Crouser
 Estados Unidos
22,90 m Tomas Walsh
 Nova Zelândia
22,90 m
Lançamento de disco
detalhes
Daniel Stahl
 Suécia
67,59 m Fedrick Dacres
 Jamaica
66,94 m Lukas Weisshaidinger
 Áustria
66,82 m
Lançamento de martelo (1)
detalhes
Pawel Fajdek
Polónia Polônia
80,50 m Quentin Bigot
 França
78,19 m Bence Halász
 Hungria
Wojciech Nowicki
Polónia Polônia
78,18 m
77,69 m
Lançamento de dardo
detalhes
Anderson Peters
Granada
86,89 m Magnus Kirt
Estónia Estônia
86,21 m Johannes Vetter
 Alemanha
85,37 m
Decatlo
detalhes
Niklas Kaul
 Alemanha
8691 pts Maicel Uibo
Estónia Estônia
8604 pts Damian Warner
 Canadá
8529 pts

(1) - As provas dos 110 m com barreiras e do lançamento do martelo tiveram medalhas de bronze duplas apesar de tempos e distâncias diferentes. Na corrida, o velocista espanhol foi empurrado por outro corredor e no martelo um lançamento do húngaro validado pelos juízes foi depois revisto como inválido. Com as apelações bem sucedidas de suas federações, medalhas de bronze foram concedidas a estes atletas sem que o bronze dos outros dois tenham sido retiradas, sendo outorgadas duas medalhas de bronze em cada prova, com marcas diferentes.[19][20]

Feminino[editar | editar código-fonte]

Evento Ouro Prata Bronze
100 m
detalhes
Shelly-Ann Fraser-Pryce
 Jamaica
10.71 Dina Asher-Smith
 Grã-Bretanha
10.83 Marie-Josée Ta Lou
Costa do Marfim
10.90
200 m
detalhes
Dina Asher-Smith
 Grã-Bretanha
21.88 Brittany Brown
 Estados Unidos
22.22 Mujinga Kambundji
Suíça
22.51
400 m
detalhes
Salwa Eid Naser
 Bahrein
48.14 Shaunae Miller-Uibo
 Bahamas
48.37 Shericka Jackson
 Jamaica
49.47
800 m
detalhes
Halimah Nakaayi
Uganda
1:58.04 Raevyn Rogers
 Estados Unidos
1:58.18 Ajee Wilson
 Estados Unidos
1:58.84
1500 m
detalhes
Sifan Hassan
 Países Baixos
3:51.95 CR icon2.PNG Faith Kipyegon
 Quênia
3:54.22 Gudaf Tsegay
 Etiópia
3:54.38
5000 m
detalhes
Hellen Obiri
 Quênia
14:26.72 CR icon2.PNG Margaret Kipkemboi
 Quênia
14:27.49 Konstanze Klosterhalfen
 Alemanha
14:28.43
10000 m
detalhes
Sifan Hassan
 Países Baixos
30:17.6 Letesenbet Gidey
 Etiópia
30:21.2 Agnes Tirop
 Quênia
30:25.2
Maratona
detalhes
Ruth Chepngetich
 Quênia
2:32:43 Rose Chelimo
 Bahrein
2:33:46 Helalia Johannes
Namíbia
2:34:15
100 m c/ barreiras
detalhes
Nia Ali
 Estados Unidos
12.34 Kendra Harrison
 Estados Unidos
12.46 Danielle Williams
 Jamaica
12.47
400 m c/ barreiras
detalhes
Dalilah Muhammad
 Estados Unidos
52.16 WR icon.PNG Sydney McLaughlin
 Estados Unidos
52.23 Rushell Clayton
 Jamaica
53.74
3000 m c/ obstáculos
detalhes
Beatrice Chepkoech
 Quênia
8:57.8 CR icon2.PNG Emma Coburn
 Estados Unidos
9:02.35 Gesa Krause
 Alemanha
9:03.30
Marcha 20 km
detalhes
Liu Hong
 China
1:32:53 Shenjie Qieyang
 China
1:33:10 Liujing Yang
 China
1:33:17
Marcha 50 km
detalhes
Rui Liang
 China
4:23:26 Li Maocuo
 China
4:26:40 Eleonora Giorgi
 Itália
4:29:13
4x100 m
detalhes
 Jamaica
Shelly-Ann Fraser-Pryce
Shericka Jackson
Natalliah Whyte
Jonielle Smith
41.44  Grã-Bretanha
Dina Asher-Smith
Asha Philip
Ashleig Nelson
Daryl Neita
41.85  Estados Unidos
Dezerea Bryant
Teahna Daniels
Morolake Akinosun
Kiara Parker
42.10
4x400 m
detalhes
 Estados Unidos
Phyllis Francis
Dalilah Muhammad
Sydney McLaughlin
Wadeline Jonathas
3:18.92 Polónia Polônia
Iga Baungart-Wigan
Patrycja Wyciszkiewicz
Malgorzata Holub-Kowalik
Justyna Święty-Ersetic
3:21.89  Jamaica
Anastasia Le-Roy
Shericka Jackson
Tiffany James
Stephenie McPherson
3:22.37
Salto com vara
detalhes
Anzhelika Sidorova
ANA flag (2017).svg Atletas Neutros*
4,95 m Sandi Morris
 Estados Unidos
4,90 m Katerina Stefanidi
 Grécia
4,85 m
Salto em distância
detalhes
Malaika Mihambo
 Alemanha
7,30 m Maryna Bekh-Romanchuk
 Ucrânia
6,92 m Ese Brume
Nigéria
6,91 m
Salto triplo
detalhes
Yulimar Rojas
 Venezuela
15,37 m Shanieka Ricketts
 Jamaica
14,92 m Caterine Ibarguen
 Colômbia
14,73 m
Salto em altura
detalhes
Mariya Lasitskene
ANA flag (2017).svg Atletas Neutros*
2,04 m Yaroslava Mahuchikh
 Ucrânia
2,04 m WJR icon.png Vashti Cunningham
 Estados Unidos
2,00 m
Arremesso de peso
detalhes
Gong Lijiao
 China
19,55 m Danniel Thomas-Dodd
 Jamaica
19,47 m Christina Schwanitz
 Alemanha
19,17 m
Lançamento de disco
detalhes
Yaimé Pérez
 Cuba
69,17 m Denia Caballero
 Cuba
68,44 m Sandra Perkovic
 Croácia
66,72 m
Lançamento de martelo
detalhes
DeAnna Price
 Estados Unidos
77,54 m Joanna Fiodorow
Polónia Polônia
76,35 m Zheng Wang
 China
74,76 m
Lançamento de dardo
detalhes
Kelsey-Lee Barber
 Austrália
66,56 m Shiying Liu
 China
65,88 m Huihui Lyu
 China
65,49 m
Heptatlo
detalhes
Katarina Johnson-Thompson
 Grã-Bretanha
6981 pts Nafissatou Thiam
 Bélgica
6677 pts Verena Preiner
 Áustria
6560 pts

Misto[editar | editar código-fonte]

Evento Ouro Prata Bronze
4x400 m
detalhes
 Estados Unidos
Wilbert London
Allyson Felix
Courtney Okolo
Michael Cherry
3:09.34 WR icon.PNG  Jamaica
Nathon Allen
Roneisha McGregor
Tiffany James
Javon Francis
3:11.78  Bahrein
Musa Isah
Aminat Jamal
Salwa Eid Naser
Abbas Abbas
3:11.82

Referências

  1. Luca Landoni. «Iaaf WC 2019 will be held in Doha, Qatar!». atleticalive. Consultado em 23 de março de 2019 
  2. «USA BREAKS WORLD RECORD IN MIXED 4X400M AT IAAF WORLD ATHLETICS CHAMPIONSHIPS DOHA 2019». IAAF. Consultado em 29 setembro 2019 
  3. Mike Rowbottom. «National sponsor logos allowed on kit for IAAF World Championships in Doha». Inside the Gamaes. Consultado em 23 de março de 2019 
  4. «IAAF COUNCIL MAKES KEY DECISIONS IN MONACO». IAAF. Consultado em 23 de março de 2019 
  5. Brian Homewood. «Russia to miss world championships after IAAF ban extended». Reuters. Consultado em 27 setembro 2019 
  6. «Dire in Doha: world championships 'catastrophe' leaves athletics reeling». The Guardian. Consultado em 2 outubro 2019 
  7. «FALAH, MASCOT FOR THE IAAF WORLD ATHLETICS CHAMPIONSHIPS DOHA 2019, UNVEILED». IAAF. Consultado em 5 abril 2019 
  8. «IAAF WORLD ATHLETICS CHAMPIONSHIPS DOHA 2019 – THE HIGHEST QUALITY CHAMPIONSHIPS OF ALL TIME». IAAF. Consultado em 6 outubro 2019 
  9. «SHOT PUT MEN». IAAF. Consultado em 6 outubro 2019 
  10. «REPORT: WOMEN'S 1500M - IAAF WORLD ATHLETICS CHAMPIONSHIPS DOHA 2019». IAAF. Consultado em 6 outubro 2019 
  11. «Leichtathletik-WM 2019 geht an Katar». Der Standard. Consultado em 6 outubro 2019 
  12. «World Athletics Championships: $4.5m Doha cash plan investigated by judges». The Guardian. Consultado em 6 outubro 2019 
  13. «Doha world championships 'a disaster', says decathlon record-holder Mayer». The Guardian. Consultado em 6 outubro 2019 
  14. «World Athletics Championships 2019: Free tickets handed out in desperate bid to fill empty stadium in Doha». The Independent. Consultado em 6 outubro 2019 
  15. «Empty stadiums and empty promises». The Parliament Magazine. Consultado em 7 outubro 2019 
  16. Athletics World Championships: Lord Coe praises athletic performances and defends hosting event in Doha. BBC Sport (2019-10-06). Consultado 7 outubro 2019.
  17. «Khalifa International Stadium». Consultado em 23 de março de 2019 
  18. IAAF. «IAAF Competition Info:CEREMONIES, PRIZE MONEY AND WORLD RECORD AWARD pg.71» (PDF). IAAF. Consultado em 27 setembro 2019 
  19. «Polish hammer throwers strike gold and bronze in Qatar». Poland In. Consultado em 3 outubro 2019 
  20. «Spain's Ortega gets bronze after IAAF agree he was impeded». Reuters. Consultado em 3 outubro 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]